- Publicidade -

Carrefour foca em diferentes modelos de loja

- Publicidade -

Na última terça-feira, 11, o Carrefour apresentou o seus resultados, onde reportou lucro líquido ajustado de 420 milhões de reais no primeiro trimestre, crescimento de 4,7% ante mesmo período de 2020.

A companhia informou ainda a pretensão de abrir 45 novas lojas em 2021, incluindo conversões das operações de atacado compradas do grupo Makro, o que deve gerar um crescimento de 10% a 12%.

Já nesta quarta-feira, os executivos do Carrefour detalharam como a operação deve trabalhar neste ano. “Planejamos uma transição com Makro de até 18 meses, mas iniciamos a operação da última loja já em dezembro do ano passado. Essa agilidade deve seguir com Big a partir do momento que pudermos trabalhar”, diz Sébastien Durchon, vice-presidente de Finanças e RI do Carrefour. Deste modo, haverá a conversão de lojas Big para Atacadão, além de inaugurações de lojas de diferentes portes.

O Carrefour está trabalhando no desenvolvimento na formatação de pequenas lojas localizadas em condomínios, por exemplo. “Estamos testando vários modelos e tamanho de lojas, inclusive autônomas. A intenção é descobrir um modelo ideal para depois acelerar a expansão de modo industrial. Uma loja pequena vende 4 milhões de reais ao ano enquanto um Atacadão vende 200 milhões de reais ao ano. Então, precisamos ter o modelo consolidado primeiro, pois abrir centenas de lojas sem ter isto robusto é perder muito dinheiro” afirma. Para 2022, o executivo também prevê mais 45 lojas novas.

Para seguir o plano, é preciso que a inflação estabilize. “Repassamos os custos para o consumidor para manter a margem bruta, mas num longo prazo a perda de renda é um problema”. Um saída para o grupo é justamente promover essa diferenciação em cada tipo de loja. Se no hipermercado Carrefour o cliente encontra um sortimento de produtos, no Atacadão ele será em média dez vezes menor. “Com essa diferença de qualidade e mix de produtos o cliente aceita pagar mais. Além disso, é preciso entender o que o consumidor busca. No hipermercado, por exemplo, o varejo não alimentar representa 35% da compra”, diz.

A estratégia de oferecer a compra via aplicativos do Rappi e Cornershop também continua, além de promover comunicações que levem o cliente para a loja virtual própria. “Nosso desafio é desenvolver todos os canais e manter um custo competitivo”.

Fonte: NewTrade

- Publicidade -
Últimas Notícias

Americanas Aprova Plano de Recuperação Judicial em Assembleia de Credores

Com a aprovação do plano de recuperação judicial, a Americanas redefine seu destino, emergindo mais forte e resiliente. Uma jornada marcante que sinaliza um novo capítulo de sucesso e superação no universo empresarial.
- Publicidade -

Trio de Novas Lojas do Grupo Bahamas Expande sua Presença no Interior de Minas Gerais

Trio de Novas Lojas do Grupo Bahamas Expande sua Presença no Interior de Minas Gerais

Seja um franqueado: Entenda como funciona e como encontrar a franquia certa para você

A principal vantagem é que você estará usando uma marca já estabelecida e reconhecida no mercado.
Notícias Relacionadas

Americanas Aprova Plano de Recuperação Judicial em Assembleia de Credores

Com a aprovação do plano de recuperação judicial, a Americanas redefine seu destino, emergindo mais forte e resiliente. Uma jornada marcante que sinaliza um novo capítulo de sucesso e superação no universo empresarial.

Trio de Novas Lojas do Grupo Bahamas Expande sua Presença no Interior de Minas Gerais

Trio de Novas Lojas do Grupo Bahamas Expande sua Presença no Interior de Minas Gerais

Seja um franqueado: Entenda como funciona e como encontrar a franquia certa para você

A principal vantagem é que você estará usando uma marca já estabelecida e reconhecida no mercado.
- Publicidade -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here